Lições de vida

Começo com esse texto lembrando Mae Oeste que dizia: “Você só vive uma vez, mas se você fizer isso direito, uma vez é suficiente.” 
 
Lógico que ela não tinha a a visão kardecista, mas a frase nos impulsiona a viver bem o suficiente. 
 
Tenho acompanhado uma pessoa em particular, com seus 83 anos de idade, que enfrenta diversos problemas de saúde. “Cura uma coisa, surge outra”. Segue em seu quarto no hospital, depois de ter passado pela UTI. Também observei quando fui visitá-la, diversas pessoas na UTI, umas em estado terminal, outros com morte cerebral e os filhos ali, ao seu lado, outros eufóricos por estarem ainda vivos, enfim, todos apegados num, quem sabe, último fio de vida que lhes resta. 
 
Uns prontos para partir e outros apagados a vida, desesperados com a possibilidade de morrer. 
 
Enquanto eu estava ali, observando tudo aquilo, com vontade de falar algumas coisas, constatei mais uma vez, graças a doutrina espírita, que cada um “morre” da maneira que viveu ou vivem.
 
Ao voltar pra casa surgiam diversos temas, ideias para palestras, entre elas três perguntas fundamentais: 
 
“Estou vivendo bem?”
 
“Onde é que eu tenho feito de bom, já que é quase nada não fazer o mal, é preciso fazer o bem ? “
 
“Serei capaz de sorrir quando eu estivar no meu leito de morte?”
 
Estas perguntas são difíceis de se responder, especialmente o última, para alguém como eu, intolerante a dor. 
 
Na verdade até tentei me imaginar com 80 e poucos anos num leito de hospital, dependendo dos outros, tomando um medicamento atrás do outro e por conta deles delirando. Espero desencarnar antes, só de olhar me estressava. Não quero atrapalhar a vida de ninguém. Vejo os desentendimentos até por conta de quem vai ficar este dia ou esta noite como acompanhante. Sinceramente. Espero não chegar lá. 
 
O ser humano, se é que podemos chamar de humano chega a ser bestial e o adagio popular é mais do que fato: Quer saber quem são seus amigos, fique doente num leito hospitalar” Ou uma mãe é para 100 filhos, 100 filhos não são para uma mãe. 
 
Só de olhar tudo aqui, passar por uma UTI, parei de pensar nestas questões e optei por pensar em coisas mais positivas, mais saudáveis. 
 
Isso até me distraiu por alguns dias, até que recebi a notícia de que a mãe de um amigo meu estava na mesma UTI. Em fevereiro havia desencarnado seu esposo e ela, naquela semana havia comprado flores para levar ao túmulo do marido. O filho dela comentou-me: “Acho que essas flores servirão para o túmulo dela, pois já foram tantas as vezes que ela veio para a UTI que acredito que desta vez ela não passa”. 
 
As três perguntas voltaram com força total em meus pensamentos. Mas desta vez, bloquei imediatamente às perguntas e a substituí apenas uma:
 
“O que eu quero fazer nos próximos cinco anos para poder sorrir mais e desencarnar melhor? Cinco anos é um tempo razoável, estarei com sessenta ! Pra mim tá de bom tamanho, embora tenha me programado para trocar de endereço com 70. 
 
Achei mais fácil me dar o prazo de apenas cinco anos.
 
Por mais louco que possa parecer a você, está pequena pergunta pode mudar nossa vida, nossa maneira de aceitar os fatos, nosso modo de viver e inclusive mudar a nossa maneira de trocar de endereço, isto é, “morrer”.  
 
Então hoje o grande desafio é fazer-se essas perguntas e respondê-las, mudando de forma positiva nossa maneira de agir. 
 
Eu garanto que seu eu conseguir mudar a maneira que eu estou vivendo hoje e fazer isso pelos próximo cinco anos, com certeza eu estarei literalmente dando gargalhadas na hora da minha “morte”. 
 
Para encerrar, me lembro aqui de uma das famosas citações de Walt Disney: “Por aqui, não costumamos olhar para trás por muito tempo. Nós continuamos avançando, abrindo novas portas e fazendo coisas novas, porque estamos curiosos -. E curiosidade nos mantém vivos e conduzindo-nos para novos e melhores caminhos “
 
Essa é uma das minhas citações favoritas. Ela me inspira e por isso o mundo é muito pequeno pra mim. Vivo em busca de novidades, procurando viver intensamente cada momento, pois sabe-se lá como e onde estarei daqui a cinco anos. ​
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s